Dia Mundial Vegano 2011

7ª edição do Dia Mundial Vegano em Belo Horizonte, que acontece desde 2004!

Dias 3 e 4 de dezembro, sábado e domingo
Das 9h às 18h
Local: Espaço Graal (R. Pirapetinga, 390 – Serra) . BH
Entrada franca (até a lotação do espaço, chegue cedo! Não é necessário inscrição prévia)

[iframe src=http://maps.google.com/maps?f=q&source=embed&hl=pt-BR&geocode=&q=R.+Pirapetinga,+390+-+Serra,+Belo+Horizonte+-+MG,+30220-150,+Brasil&sll=-19.941966,-43.923125&sspn=0.027352,0.045447&vpsrc=0&ie=UTF8&hq=&hnear=R.+Pirapetinga,+390+-+Serra,+Belo+Horizonte+-+Minas+Gerais,+30220-150,+Brasil&t=m&z=14&iwloc=A&ll=-19.942692,-43.923168&output=embed width="600" height="150"]

Exibir mapa ampliado

Programação

[iframe src="https://docs.google.com/document/pub?id=1JwuKCQruWhJCmQIfHp7lXveeVwW9nV03-b1D0gTong4&embedded=true" frameborder="0" height="890" width="660" scrolling="no"]

Palestra com Prof. Gary Francione – videoconferência, tradução consecutiva

Gary L. Francione é Distinguished Professor de Direito e o Nicholas de B. Katzenbach Scholar de Direito e Filosofia na Rutgers University School of Law-Newark, Estados Unidos, tem lecionado o tema direitos animais e o Direito por mais de 20 anos, e foi o primeiro acadêmico a ensinar a teoria dos direitos animais em uma faculdade de Direito americana. Deu palestras sobre esse tópico nos Estados Unidos, Canadá e Europa, inclusive como professor convidado na Universidad Complutense de Madrid. Tem dado várias entrevistas em programas de rádio e televisão. É bem conhecido no movimento de proteção animal por suas críticas às leis do bem-estar animal e à condição dos animais não-humanos como propriedade, e por sua teoria dos direitos animais abolicionista.

O professor Francione diz que há muita confusão quanto ao significado de “direitos animais”. “Para alguns qualquer medida regulatória concernente a não-humanos, como aumentar o tamanho das gaiolas de bateria para galinhas poedeiras, ou uma lei exigindo o tratamento “humanitário” de não-humanos, envolve “direitos animais”. Para outros, “direitos animais” significa que os não-humanos devem ter todos aqueles mesmos direitos que os humanos têm. E alguns argumentam que certos animais, como os grandes símios não-humanos, têm mais importância do que os outros não-humanos porque os grandes símios possuem características cognitivas parecidas com as dos humanos,” explica. A abordagem apresentada pelo professor Francione é que todos os seres sencientes devem ter ao menos um direito—o direito a não ser tratado como propriedade. Segundo ele, se reconhecêssemos esse direito, seríamos compelidos a abolir a exploração animal institucionalizada. Pararíamos de trazer animais não-humanos domesticados à existência para os humanos usarem.

O professor Francione escreve regularmente no seu site Direitos animais: a abordagem abolicionista, com tradução de Regina Rheda para o português, que tem como missão oferecer uma declaração clara de uma abordagem dos direitos animais que (1) promove a abolição da exploração animal e rejeita a regulamentação da exploração animal; (2) é baseada apenas na senciência animal e em nenhuma outra característica cognitiva; (3) considera o veganismo a base moral da postura dos direitos animais; e (4) rejeita todo tipo de violência e promove um ativismo na forma de uma educação vegana não-violenta criativa. “Perguntam-me, com freqüência, qual a minha posição quanto às pessoas que apóiam o uso da violência contra os exploradores de animais. Na minha opinião, a posição dos direitos animais é a rejeição final à violência. É a afirmação última da paz. Eu vejo o movimento pelos direitos animais como a progressão lógica do movimento pela paz, que procura cessar os conflitos entre os humanos. O movimento pelos direitos animais procura, idealmente, dar um passo adiante e cessar os conflitos entre os humanos e os não-humanos,” esclarece Francione.

Livros lançados:

Essays on the Abolition of Animal Exploitation (2008), Introduction to Animal Rights: Your Child or the Dog? (2000), Rain Without Thunder: The Ideology of the Animal Rights Movement (1996), Animals, Property, and the Law (1995) e Vivisection and Dissection in the Classroom: A Guide to Conscientious Objection (com Anna E. Charlton) (1992).


Alongamento para iniciar o dia
Com Anderson Cruz, estudante de Educação Física e vegano.
Vá com roupas confortáveis para participar da atividade. Leve uma toalha.

Palestra Introdução aos Direitos Animais
O coletivo Gato Negro apresenta uma palestra com bate papo sobre escravidão e a dicotomia entre Direitos Animais e Bem-estar Animal. Descubra maneiras simples de não participar da violência especista e fazer parte da mudança para um mundo mais justo, livre e igualitário.

Direitos Animais e Veganismo: teoria e prática.  Veganos pela Abolição da Escravidão Animal com Luís Martini (SP)
O grupo promove discussões a respeito das visões e ações que conduzam à abolição da escravidão animal. Divulgadores e profundos(as) estudiosos(as) de escritores da área de Direitos Animais, como Gary Francione. A atividade é uma troca de experiências, contando um pouco sobre as dificuldades e campanhas do coletivo.

Palestra sobre Testes em Animais e como boicotá-los no dia a dia
Com Fabiane Niemeyer, bióloga e vegana. Por que os testes em animais, sejam para ensino ou pesquisa, são inaceitáveis e injustos? Como buscar alternativas, enquanto estudante, cientista ou defensor(a) dos direitos animais.

Oficinas de culinária vegana
Aprenda através de demonstrações culinárias, como preparar deliciosas receitas sem nenhum ingrediente de origem animal: lanches, refeições principais e sobremesas.

Palestra Bem-estar x Direitos Animais
O Gato Negro traz a provocação de que não há movimento de direitos animais no Brasil nem no mundo, e sim um grande movimento de bem-estar animal unido às indústrias que exploram os animais; e grupos que mudam seu discurso na tentativa de reunir mais adeptas(os). Entenda como não cair no conto do tratamento humanitário, com exemplos de ações nacionais e estrangeiras.

Banda Escalier
Rock pós-metal para fechar o evento, imperdível.

………………………………

Desconferência sobre subjetividade animal e reconhecimento desses enquanto sujeitos
Com Carolina D’Almeida (RJ), filósofa, mestra em Arqueologia e vegana. Discussão sobre as relações intersubjetivas entre “cientistas animais” ou etólogos(as) veganos(as) e seus “sujeitos-animais de pesquisa”. Repensando os “objetos animais de pesquisa”, como “sujeitos animais de pesquisa”.

Palestra Nutrição Vegana
Com Silvana Portugal, nutricionista, pós-graduada em Nutrição Clínica Funcional e vegana. Como ter uma alimentação vegana saudável, com enfoque especial no cálcio.

Oficina Emprego de Plantas Espontâneas na Alimentação e Medicina
Com a farmacêutica vegana Ana Cimbleris, mestre e especialista em plantas medicinais. Planta que é mato ou mato que é planta? No Brasil, grande parte das espécies espontâneas tem utilidade fitoterápica e nutricional. Economia, praticidade, saúde, sabor e preservação da natureza são algumas das razões para utilizá-las.

Bate-papo sobre o Santuário de Gatos com Necessidades Especiais
Converse com as idealizadoras do local especialmente dedicado aos cuidados de gatos idosos, cegos ou que corriam risco de morte. Agora, esses felinos vivem em paz e segurança.

E mais
Feira de produtos veganos (doces, sucos, salgados, livros, camisetas, guia Primeiros Passos para o Veganismo, zines, adesivos e outros), área de convivência, vídeos…

Participe!!!

Veganas/os ou não, todas/os são muito bem-vindas/os!

Confirme sua presença no Facebook.

Informações: contato@gato-negro.org e 31 9322-6831.